Flifloresta

Postado em

Manaus vive nesta semana o Flifloresta, o Festival Literário Internacional da Floresta. O Festival, promovido pelo Instituto Valer e vários parceiros, discute duas grandes questões por meio de dois simpósios: o Simpósio de Cultura e Natureza na Amazônia e o o Simpósio de Leitura e Formação de Leitores.

A Amazônia está na agenda mundial. É necessário discutir e tomar ações propositivas em relação ao que queremos como cidadãos amazonidas, sem bairrismos imobilizantes e sem adesismo globalizantes. Assusta-me sobremaneira discursos xenófobos de proteção à Amazônia que ficam cegos aos inimigos internos, muitas vezes mais perigosos para a sustentabilidade da Região do que o perigo externo. Assombro-me igualmente com o descaso como regulador de destino, assim pensado por aqueles que acreditam não ser necessária nenhuma ação reguladora porque a coisa aconteceria numa dinâmica própria. Nem lá, nem cá. A virtude, diriam os gregos, está no meio.

Quanto à leitura, parece que o grande desafio é a ultrapassagem da tecnologia. Explico. A leitura ainda continua sendo vista e fortemente trabalhada como o processo de aquisição da tecnologia da escrita, a alfabetização. Por isso, a tristeza dos educadores com o baixíssimo nível de compreensão dos alunos em relação àquilo que lêem. Lêem, mas não entendem. Aprenderam a tecnologia, mas não sabem fazer uso dela. Segundo o IBGE, com dados da última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, da população brasileira, 11% são analfabetos. Isto representa 20,8 milhões de pessoas. Assustado? Mas esse é o número das pessoas que não sabem ler e escrever nada. Há aqueles que sabem ler e escrever, mas não sabem fazer sentido algum do que lêem e nem escrevem algo coerente. Aí o número é um soco no estômago: 32% da população. Cerca 60,5 milhões de brasileiros são analfabetos funcionais, segundo dados do Índice Nacional de Alfebetismo Funcional, pesquisa realizada pelo Instituto Paulo Montenegro e pela Ação Educativa. Detalhe: 2% das pessoas com nível superior são analfabetos funcionais. É para pensar e muito.

Como se altera isso? Minha aposta é na mudança conceitual. O conceito de leitura, como afirmei, deve ultrapassar o domínio da tecnologia da escrita. É preciso ir além. Além de alfabetizado, o aluno precisa ser sujeito de práticas de letramento que o introduzam na cultura da escrita não como um mero copista, mas como ele próprio produtor de textos. Assim, ele terá condições de discutir não só Amazônia e Leitura, mas também Democracia, Política, Cidadania e muitos outros assuntos constitutivos de sua subjetividade cidadã. Se sairmos da alfabetização para o letramento, o deslocamento será significativo. É necessário cada um assumir seu novo papel na mudança conceitual: professores, alunos, escola, governo, terceiro setor.

O Flifloresta é uma dessas atividades que fazem a diferença. E faz diferença porque ajuda a criar uma nova memória social sobre o ato de ler em Manaus. Sexta-feira à tarde , estarei participando de uma mesa sobre leitura juntamente com o professor Marcos Krüger, no auditório da UEA. E, claro, levarei minhas filhas ao Parque dos Bilhares para aproveitarem as atividades do Florestinha, com seus espaços dedicados às crianças. Imperdível.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s