Administrar a coisa pública

Postado em

Publicado no jornal “Em Tempo”, em 18.12.2008.

Sou uma pessoa que crê que sempre se deve aprender com as experiências. Não vejo sentido em ser diferente. Somos produtos do que temos sido e, portanto, estamos em contínuo processo de transformação pessoal nos vários âmbitos.

Durante três anos fui subsecretário de educação do município de Manaus. Foi um período de aprendizado nos aspectos administrativo, político, pessoal e profissional. Aprender é mudar comportamento e, nesse sentido, aprendi bastante.

Aprendi que administrar é decidir. Para a decisão, quanto mais ouvir as pessoas ligadas às questões envolvidas, melhor. Mais subsídios se tem para tomar a decisão. Mas aprendi também que ouvir as pessoas não significa cair num democratismo que requer que se vote toda e qualquer decisão. Isso é tão ruim quanto decidir sem ouvir ninguém. Quem está num lugar de gestor tem de chamar para si as responsabilidades do cargo. Não há vácuo no poder, diz o truísmo. Se não se ocupa o lugar de poder legitimado alguém vem e ocupa. Aqui se encontra uma das questões fundamentais: decidir é optar e quando se opta contempla-se alguém e pretere-se alguém. Conseqüência: ninguém administra sem decidir e ninguém decide sem descontentar. Os descontentes, por sua vez, vão gerar e fazer circular versões, muitas vezes convenientes, que vão parafrasear a idéia de que o gestor é autoritário, uma vez que sua decisão não os contemplou. Caso o fizesse, claro, seria vista como democrática.

Qualquer escolha dentre um leque de opções gerará descontentamento. Ao gestor cabe escolher de acordo com o regramento legal e suas convicções e agüentar a reação. Ela sempre vem. Não há, repito, decisões sem reações. Um administrador deve estar ciente de que suas decisões vão gerar memória, positiva ou negativa, sob sua passagem pela administração. Críticas são inerentes a quem decide.

Falei em seguir o regramento legal. Administrar e decidir nas possibilidades da lei, nunca fora dela. “Legalista”, já acusarão os preteridos. Junto com as responsabilidades políticas de qualquer decisão – aquilo que ela altera na questão social -, vem a responsabilidade legal sobre ela. Na época em que discutíamos o Plano de Cargos dos professores, lembro que o Sindicato exigia a inclusão de merendeiras e vigias das escolas no Plano, algo proibido por Lei. Plano de Cargos do Magistério só pode incluir professores e pedagogos. A vontade política não era contemplada pela legislação. Caso acatássemos a proposta do Sindicato, estaríamos feriando a lei como gestores e pelo não cumprimento da mesma seríamos responsabilizados. Explicar para o Sindicato, no entanto, não foi tarefa fácil.

Resumindo: administrar é decidir. Decidir contemplando as demandas políticas que contemplem a maioria, sustentada pela legislação, e sabendo que a decisão gerará reações e que as reações fazem parte. Quem tem problemas em ouvir, quem não consegue decidir, quem não pensa no ganho coletivo – ainda que isso possa descontentar a uma minoria – quem acredita que as leis são detalhes e quem não sabe lidar com o contraditório no nível do argumento, da divergência com honestidade intelectual, não pode administrar. Aliás, pode. Com danos e riscos. A Ufam vai escolher um novo reitor. Essa reflexão vai nesse contexto.

Anúncios

2 comentários em “Administrar a coisa pública

    Anonymous disse:
    17/12/2008 às 12:49

    Com os candidatos que se apresentam por aí parece que escolheremos uma reitora…

    Anonymous disse:
    18/12/2008 às 13:19

    A reitora é a única possibilidade de decência na Ufam

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s