A torneira da cozinha

Postado em


Há coisas que fazemos porque sabemos e há outras que tentamos fazer porque achamos que sabemos ou que podemos dar conta. Foi me enquadrando nessa segunda categoria que me meti a trocar a torneira da pia da cozinha, que estava vazando por cima. Comprei a nova, coloquei minha roupa de handiman, tirei as panelas do armário que fica embaixo da pia e comecei a tarefa doméstica.

Tirar a antiga foi fácil. O fator complicador de tudo era o espaço para manobra, muito pequeno entre a parede e bacia da pia. Minha mão direita ganhou calos em todas as cinco juntas. Normal, pensei. Fazer serviços domésticos sem me machucar comprometeria minha identidade. Eu sempre me esfolo. Quando tirei a torneira velha, percebi que o registro da água que, claro, eu havia fechado não vedava completamente a passagem da água. Eram apenas gotas. Mas tal qual as gotas da tortura chinesa, essas gotinhas começaram a incomodar num crescendo e começaram a alagar tudo. E eu não conseguia encaixar a mangueira na torneira nova porque não havia encontrado o meu alicate-de-pressão, a minha ultra-mega-power ferramenta que me ajuda em tudo. Culpei a empregada, liguei para a Bia em Campinas para reclamar que mexeram nas minhas ferramentas. Enfim, a razão de eu não conseguir ir adiante era da falta de ferramenta adequada. Tentei com uma chave inglesa, mas nada. Comecei às quatro da tarde.Uma da manhã dei uma pausa para levar meu irmão ao aeroporto, sem esquecer, claro, de deixar várias bacias para coletar a água que teimava em pingar. Voltei quarenta minutos depois. Às três da manhã joguei a toalha, também encharcada, como toda cozinha.

Acabei de levar o Ronaldo de volta à loja de material de construção. Ronaldo é o encanador. Fui buscá-lo de manhã cedo, depois de passar a madrugada em claro trocando as bacias de água, que enchiam de 20 em 20 minutos. Como eu acredito mesmo que não há experiência sem aprendizado, a torneira da cozinha me ensinou algumas coisas.

O ser humano tem limites e tem de reconhecer os seus. Tentei ir além da minha capacidade e meu esforço foi em vão. Perdi tempo, paciência, ganhei calos, me molhei. Quando a gente cruza a linha do possível corre o risco de se molhar, de se machucar, de transbordar para outras áreas. Viver com o conhecido, com nossas torneiras velhas, é sempre mais fácil. No entanto, mudar as torneiras por onde passam os sentidos de nossas vidas de vez em quando é preciso, pois começam a vazar de alguma forma. Mas dá trabalho, a margem de manobra é pequena e muitas vezes não conseguimos fazer isso sozinhos. Não adianta culpar as ferramentas quando o problema é a incapacidade e a falta de preparo para lidar com elas. Aceitar os limites e pedir ajuda não nos diminui. Pelo contrário,nos permite conhecer bem melhor as nossas fronteiras.

Até que escrevo direitinho, dou aulas razoáveis, sou um pai e um marido legal, manjo de linguagem. Sei disso. Mas não sei trocar torneiras. Aprendi: sempre vai haver alguém no mundo que sabe mais do que você sobre alguma coisa. Limite. Palavra da semana. Cada um na sua, o mundo gira e a Lusitana roda.

O Ronaldo trocou a torneira em 20 minutos. Cobrou 15 reais. Dei 20. Ah, antes que eu me esqueça: ele usou uma chave-inglesa. Se a dele não fosse igual à minha, teria dado a minha para ele.

Anúncios

9 comentários em “A torneira da cozinha

    ***Su*** disse:
    19/01/2009 às 15:31

    hauhauahuau
    Acabei de ver que tinha post novo aqui e dei uma clicada.
    Que engraçado tudo isso. 🙂
    Mas é verdade também que nossos limites desaparecem (ou se delimitam)à medida em que nos preparamos para enfrentá-los.
    Abraços
    Sue

    Larissa disse:
    20/01/2009 às 10:50

    Deve ter sido bem engraçado! Mas a lâmpada vc sabe trocar, né? (hihihihi)

    Lucia Maria disse:
    23/02/2010 às 16:37

    Você não só escreve bem .Explica melhor ainda…
    Acredite que se não tivesse lido o seu relato,iria ,confesso : Fazer a mesma coisa…
    Já estou com a nova torneira em mãos,a sorte é que não dispunha de ferramentas adequadas para agir.
    Fiquei com peninha do seu sofrimento,mas foi de fato hilário. Mas, vc pagou mil pecados só em trocar as bacias de 20 em 20 min… e ficar no castigo a noite inteira.
    _Que sofrimento,mas valeu…
    Obrigada por vc existir e livrar-me dessa situação.

    Theofilo Alves disse:
    10/03/2010 às 19:07

    Recado dado e bem dado !!!
    Tem aí o fone do Ronaldo?
    Abraço

    Márcia Barreto disse:
    05/06/2010 às 11:22

    Um texto perfeito em todos os sentidos. P este motivo, queria sua permissão para utilizá-lo esta semana nas minhas turmas da EJA-EM.

    Tatiane Freitas disse:
    05/06/2010 às 12:17

    Caro Sergio,

    Nem tem muito o que dizer, simplesmente ADORO a maneira como você se utiliza das palavras e dos diversos recursos para transmitir o que sente, pensa, experimenta…Como já não é mais surpresa, deliciei-me com mais essa amostra do seu brilhante talento.

    Parabéns pela lição aprendida e obrigada por nos incitar mais essa reflexão.

    Huge fan! *-*

    Mônica Raouf El Bayeh disse:
    23/06/2013 às 10:24

    Adorei!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s