Um soneto meio “Lígia”, do Tom Jobim

Postado em Atualizado em

Futuro do pretérito

Saudade do que não tive
Dos beijos que não roubei
Dos casos que não mantive
Das flores que não te dei

Saudade daquele dia
No qual eu não te abracei
A música, eu não ouvia
Nos quartos onde não pousei

Saudade, amor, dos sussuros
Dos suores, calores, urros
Do amor que nunca fizemos

Saudade de ti, mulher
Teu rosto não vi sequer
Pois jamais nos conhecemos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s