Antes de me tornar pai

Postado em

Antes de me tornar pai, nunca havia registrado alguém. É incrível imaginar como um misto de inquérito com cadastro bancário pode deixar você tão orgulhoso. Antes de me tornar pai, não me preocupava se plantas eram venenosas, se remédios ou objetos perigosos estavam ao alcance das mãos. Jamais havia segurado uma criança para que pudessem dar vacinas. Ninguém nunca tinha vomitado em mim. Nunca havia sentido meu coração se estilhaçar por não poder parar uma dor. Nunca desejei que uma dor pudesse ser transferida de dono.

Antes de me tornar pai, jamais rezei com tanta fé sobre alguém. Antes de me tornar pai, ignorava a indispensabilidade de uma cadeirinha de bebê, de um velocípede com empurrador e a real função de uma chupeta. Antes de me tornar pai, nunca reparei que móveis possuíam quinas. Nem sabia que existiam protetores de tomada e trecos para impedir que portas fechassem. Ignorava solenemente as seções infantis das lojas e zapeava indiferente pela Discovery Kids. Antes de me tornar pai, nunca tropecei em brinquedos de madrugada. Nas madrugadas, aliás, dormia tranquilo, o que nunca mais fiz depois que me tornei pai.

Antes de me tornar pai, nunca planejei tanto uma saída de casa: bolsa kit completo. Nunca percebi que há vários tipos de leite, de fralda, chupetas de vários números. Chicco, Lilica, Nuk, Fisher-Price foram definitivamente incorporadas às minhas grifes. Antes de me tornar pai, não sabia o que era mecônio, funchincória, colostro, absorvente de seio. Aliás, perdi a propriedade sobre seios da minha mulher. Antes de me tornar pai, eu julgava desleixados meus amigos com filhos e suas casas mal arrumadas, com paredes riscadas. O fazia por desconhecer a força de furacão de crianças descobrindo o mundo, mini-Katrinas devastadores.

Antes de me tornar pai, nunca tinha sido mordido por dentes de leite ou beliscado por dedinhos com unhinhas afiadas. Ninguém nunca tinha me molhado de xixi. Jamais havia passado pela minha cabeça lavar uma bunda alheia. Ninguém nunca havia ousado limpar a boca na minha roupa e sorrir, na boa, como se nada tivesse acontecido. E eu nunca tinha ficado tão feliz por causa de um sorriso. Antes de me tornar pai, nunca havia criado histórias, a não ser para adultos e por outros motivos.

Antes de me tornar pai, achava que só eu poderia riscar meus livros. Acreditava que só se perdia trabalhos no computador se a energia faltasse. Desconhecia pequenas mãos exploradoras. Antes de me tornar pai, tinha controle sobre meus desejos e pensamentos, sobre o meu corpo e meu tempo. Eu nunca tinha segurado um bebê dormindo a noite inteira só para ficar bem pertinho. Nunca havia paranoicamente checado no meio da noite se alguém estava respirando. Nunca imaginei que algo tão pequeno pudesse mudar minha vida de modo tão forte. Não conhecia a sensação de ter meu coração batendo fora de meu peito.

Antes de me tornar pai, nunca imaginei o privilégio e o prazer inexplicável de ser chamado de pai. Antes de ser pai, temos que aprender a ser filhos. E depois de ser pai, certamente, aprendemos a ser filhos melhores. Antes de me tornar pai, nunca havia olhado meu pai com olhos de pai. Hoje vejo e o amo ainda mais. Porque agora sou pai.

Anúncios

11 comentários em “Antes de me tornar pai

    fannytatiane disse:
    25/11/2010 às 10:52

    Lindo… =~ snif snif snif

    Daniel Goettenauer disse:
    25/11/2010 às 10:58

    Professor Sérgio, sempre com belos textos e ótimas reflexões.

    Raquel Cunha disse:
    25/11/2010 às 11:06

    LINDO! Realmente isso tudo é verdade! é tanto amor que chega a doer! Parece pecado! adorei seu texto vou repassar para amigas com filhos!

    Aline Cansanção disse:
    25/11/2010 às 12:33

    Muito lindo o texto!
    Obrigada por sempre nos emocionar com seus textos!
    Que Deus abençoe sempre a sua família! =]

    celeste disse:
    25/11/2010 às 14:49

    É impossível ler esse texto sem sentir saudades e sem derramar lágrimas.Obrigada, Sérgio!!Isso é um presente para a nossa alma!

    France disse:
    25/11/2010 às 21:20

    Disse tudo. Lindo texto sobre as delícias da paternidade!
    Parabéns!

    Cassandra disse:
    29/11/2010 às 18:36

    Muito lindo….E eu gostei demais da definição “mini-katrinas devastadores”….rsrsrs…. A emoção da paternidade/maternidade é única e é tudo isso e muito mais que vc escreveu neste texto!

    Débora Amazonas disse:
    30/06/2011 às 01:11

    Belíssimo! Suas palavras nos fazem crer quão grandiosa é sua experiência como pai. Parece que a frase “padecer no paraíso” reflete muito bem tudo o que vc escreveu. Na realidade, não é bem padecer, você sabe. Minha experiência como mãe também é tudo isso e muito mais, já que através das palavras não é possível traduzir tão grandioso sentimento. Parece que sempre ainda é pouco. Vc entende? Parabéns, mais uma vez! Como professora lhe aprovo com “honras”.

    Rogerio Diniz disse:
    12/08/2012 às 08:27

    Professor Sérgio; A paz!
    Ao procurar uma boa palavra…Encontrei suas lindas palavras em seu blog.
    Com muito carinho compartilhei delas em meu Facebook: http://www.facebook.com/rogeriodiniz.a29
    Por favor não fique ofendido; Porém, se desejar que eu as retire o farei imediatamente.
    Parabéns pelas palavras; Deus o abençoe em seu dia tão especial; Parabéns!
    DJ Rogerio DIniz * DJs Atos 29.

    Eunice Ditzel disse:
    26/11/2012 às 12:26

    Lindo!! Lindo!! Lindo!!
    Quem dera se TODOS, quando se tornassem PAI, conseguissem esta transformação.
    Parabéns, Bia, Clara e NIna…

    Mara Rubia Arirama disse:
    07/05/2013 às 22:47

    Lindo demais… Parabéns!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s