A primeira falta

Postado em Atualizado em


[Hoje eu tive um pesadelo. Sonhei que perdia o meu pai. Ele está bem, lindo, alegrando o mundo. Mas no pesadelo, eu senti a dor verdadeira da ausência do meu velho. Vou lá abraçá-lo e beijá-lo hoje. Enquanto posso. Porque um dia já não mais poderei].

 

 

Aos que não podem mais.

Na iminência crua de faltar-me
Vai-se o meu eixo, perco o chão.
Como ouvirei o teu doce não?
Da vida, onde o meu alarme?

Em vão, minha mão busca a tua.
Solta, só encontra o passado.
Tu, minha voz, conselho calado,
A finitude se me mostra nua…

Querendo mais tempo, corro pra ti,
Da vida rasgado, um bisturi…
Quero teu cheiro, teu riso que vai…

Olhar que não vê, porém que sente,
A dor que lancina meu corpo, minha mente
Na primeira falta do meu velho pai…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s