A primeira falta

Postado em Atualizado em


[Hoje eu tive um pesadelo. Sonhei que perdia o meu pai. Ele está bem, lindo, alegrando o mundo. Mas no pesadelo, eu senti a dor verdadeira da ausência do meu velho. Vou lá abraçá-lo e beijá-lo hoje. Enquanto posso. Porque um dia já não mais poderei].

 

 

Aos que não podem mais.

Na iminência crua de faltar-me
Vai-se o meu eixo, perco o chão.
Como ouvirei o teu doce não?
Da vida, onde o meu alarme?

Em vão, minha mão busca a tua.
Solta, só encontra o passado.
Tu, minha voz, conselho calado,
A finitude se me mostra nua…

Querendo mais tempo, corro pra ti,
Da vida rasgado, um bisturi…
Quero teu cheiro, teu riso que vai…

Olhar que não vê, porém que sente,
A dor que lancina meu corpo, minha mente
Na primeira falta do meu velho pai…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s