Pregos na bunda

Postado em Atualizado em

Quando eu era criança,  sentei em uma tábua cheia de pregos. Minha bunda ficou toda furada. Com medo de mostrar para a minha mãe e levar uma bronca, coisa que quase todo dia acontecia comigo, fui tratado pelo meu irmão mais velho, que providenciou band-aids,  um para cada buraquinho. Fui descoberto na hora do banho. Minha mãe viu aquele monte de band-aids e eu tive que me explicar. Ganhei o maior esporro, talvez por eu ser estoporado e não ter prestado atenção na tábua com pregos, se mal lembro.

O motivo não importa. O que importa é que eu podia ter tido tétano ou coisa parecida. A preocupação de dona Helena era legítima. Uma preocupação saudável de mãe. Qual leoa não cuida dos seus filhotes? E quem tem filho feio é a coruja. A tábua de pregos enferrujados enfiados na bunda era, de fato, um motivo de real preocupação.

Dona Helena, no entanto, sempre nos deixou jogar bola na rua, voltar suados, com cordões de cerôto no pescoço. Via seus filhos bebendo água na boca da torneira para se refrescar do futebol, tomar banho de camburão, abraçar o cachorro, rolando com ele na areia. Minha mãe, sem ter conhecimento técnico-científico, compreendeu que era preciso nos expor para que criássemos defesas. E como nós nos expusemos…

Lembrei-me disso ao ler, postada no Facebook, uma matéria sobre uma pesquisa que concluía exatamente isso que a maioria das mães já sabe: expor as crianças ao dia-a-dia ajuda o corpo a criar anticorpos. É um princípio biológico básico que vale para a vida em geral.

Ninguém cria os anticorpos para as dores do amor se não se expõe a ele. Não dá para amar na teoria. Amar envolve se jogar na areia movediça dos sentimentos, com todos os bichinhos que nessa terra fazem morada. Para aproveitar o amor na plenitude é preciso tomar água direto na torneira para se refrescar dos momentos de sufoco. Amar envolve suar, inclui abraçar uns cachorros aí. Não ama quem apenas olha da janela a galera amando. Tem de meter o pé na lama. Ou na jaca.

Não há quem crie os anticorpos contra a maledicência,  derrubação e  falsidade que há em qualquer ambiente de trabalho sem que se exponha ao trabalho. É um pacote. Tem o lado bom e o lado ruim, que coça, dá urticária, deixa doente, com dores de cabeças. A gente vai aprendendo a reconhecer aquela pessoa que é toda-sorrisos e por de trás fala horrores de você. A intuição, com anticorpos, vai delatando aquele colega que sente inveja do espaço que você vai ocupando por sua competência. Vamos criando anticorpos para se proteger dessa gente ruim, criando um campo de força contra a turminha do mal.

O que quero defender neste texto é a necessidade de lidar com o mal, criada pelo design inteligente da vida para provocar o bem. Ninguém quer adoecer, lógico, mas não ter o mínimo de defesa se a doença chegar porque se viveu privado da chance de criar os anticorpos é antinatural. É o princípio das vacinas: expor o corpo a um pouco do vírus ajuda a defender o corpo daquele mesmo vírus.

Eu realmente fico assustado com exageros. Obrigar as pessoas a lavar a mão com álcool antes de chegar perto de um bebê ou não sair com a criança para tomar sol porque o ar pode conter micróbios oportunistas, por exemplo, mais do que proteção da criança demonstra uma insegurança patológica quanto à capacidade de cuidar.  É uma proteção para a insegurança dos pais mais do que um cuidado com a a saúde dos filhos. Em uma atitude egoista inconsciente, acaba-se fazendo um mal tremendo à criança, pois não lhe permite erguer suas barreiras necessárias. Os pais também estão sujeitos à mesma regra: precisam se expor a deixar os filhos viver para criar os seus próprios anticorpos da paternidade. Uma febre é uma aliada e não uma inimiga. São os anticorpos avisando que precisam de ajuda. Perdigotos podem, paradoxalmente, gerar saúde mais forte. Muita limpeza externa pode indicar transbordamendo de uma sujeira interna que precisa de atenção. Ah, o velho Freud.

De vez em quanto me pergunto se não estou superprotegendo minhas filhas a ponto de não lhes permitir viver para aprender. Marina, quatro aninhos, acaba de vir aqui para me mostrar que cortou o dedo na folha do livro de artes. Completou: “Papel corta, pai. A gente tem de ter cuidado quando vai pegar”. Claro que eu preferia que ela não tivesse se cortado. No entanto, não permitir que ela fizesse sua tarefinha no livro por causa da possibilidade de vir a se cortar não me parece uma medida de prevenção razoável e sadia.

Eu vim para o meu terceiro e derradeiro casamento cheio de anticorpos em relação às relação a dois. Aprendi que amor é equilíbrio. Lá e cá. É respeito e admiração. Está no meu conjunto de anticorpos do matrimônio que o amor acaba quando a gente permite que o vírus da indiferença destrua as células da admiração que temos por nossos parceiros. Enquanto cedermos a última almôndega do prato para o outro com prazer, a relação segue firme. Três casamentos foram a minha Tríplice.

A vida é linda, bela. Queremos e merecemos felicidade e paz. Sonhamos e batalhamos para o melhor do mundo para nós e para os nossos. Na hora de dormir, viva o banho quente e o ar-condicionado! Mas viver envolve mais. Envolve correr e suar. Inclui criar cerôto no pescoço, fazer chapinha descalço na lama,  tomar banho de chuva na calha. E, claro, sentar a bunda numa tábua com pregos enferrujados às vezes.

Anúncios

3 comentários em “Pregos na bunda

    Taciana Reis disse:
    30/03/2012 às 00:56

    Grande texto. O difícil é compreender como existem pessoas que apesar de furarem a bunda no prego ainda continuam a se sentar na tábua. Para levar o melhor de uma dificil experiência é preciso antes de mais nada humildade…. A evolução do homem é proporcional à sua coragem! Abraço… Taciana.

      Sérgio Freire respondido:
      30/03/2012 às 08:13

      A incompletude do homem é uma característica que demora a ser percebida pelo próprio homem… Abração, Taci!

    Tainá Lima disse:
    31/03/2012 às 04:18

    Lições de vida num texto leve e inspirador. Delícia de ler. Lindo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s