Rédeas perdidas

Postado em

“Era quando ele estava bem que ela surgia. Chegava do nada e o balançava. Tirava-lhe da boca o sorriso, da respiração o compasso, da mão a secura. Mandava que ele fosse para algum lugar isolado, roubando-lhe as companhias. Ele fechava os olhos, qual criança com medo do bicho-papão, na esperança que ela desaparecesse. Não ousava abrir os olhos para conferir. Mesmo de olhos fechados, sua mente formigava com assuntos plantados ali que o consumiam por dentro. Durante boa parte do tempo, ele ainda conseguia se esgueirar de tudo, refugiando-se na música, em sorrisos amigos, em carinhos infantis. O seu refúgio lhe protegia. Mas a relação de tempo começava a ficar desigual. Passava cada vez menos tempo em seu bunker protetor e cada vez mais tempo enfurnado dentro de si. Temia seriamente não mais voltar um dia…” SF

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s