Reaprendendo a amar

Postado em

“De repente o chão se abriu. A pessoa se foi. Para sempre. A morte é muito mal-educada quando chega sem avisar. E vem a dor. Porque o luto é um processo de desamor. Não de desamor por deixar de amar. Não é isso. Mas de ter de desaprender o jeito de amar de antes, de ter de arrancar aquele jeito acostumado de dentro de si para poder reaprender a amar de uma forma diferente quem se foi. É preciso amar sem o estímulo da presença viva da pessoa. A dor do luto é uma equação que não fecha: um amor grande demais dentro de nós por um ser que não existe mais fora. A dor que sentimos é a insistência de reinvestimento de uma imagem em via de desinvestimento irreversível. Vale para a morte de pessoas. Vale para a morte de amores”. SF

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s