Enredado

Postado em

“Ela era tão jovem. Eu podia ver no brilho de seus olhos a sua entrega. Não sabia o que pensava, mas sabia que tramava algo naquela mente a toda. Quando ela falava, tinha de dividir a minha atenção entre o que ela dizia e os seus lábios. Eu me fazia de desentendido, embora entendesse cada riso tímido seu. Afirmar a minha falsa ingenuidade era para mim uma forma de não sucumbir à beleza de seu sorriso. Ela, em última instância, teria de falar. Não que duvidasse que ela o faria. Quem não está disposta a ir até o deslimite nem se dá o trabalho de mexer no cabelo na frente do homem que quer. Meu tempo patinado, no entanto, sabia que o movimento não podia ser meu. O movimento em falso. Ambos cairíamos. Porque ambos queríamos. Estava cada vez mais claro. Não é que eu estava enredado por ela? Eu que pensei que sabia tudo?” SF

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s