A camisa toda suja de batom

Postado em Atualizado em

Já há algum tempo, eu tenho visto aqui e ali, todos os dias, pessoas reclamando ou comentando que estão hipersensíveis a tudo ou estão meio que sem lugar no mundo. Um tiktok de um doguinho caramelo pedindo carinho comove a ponto de olhos encherem d´água. Uma surpresa carinhosa de uma filha a um pai, vista quando zapeamos pelos reels do Instagram, faz subir no peito uma vontade de chorar que vem das entranhas. Qualquer paisagem postada ao som de Suite for Violoncelo No 1 em G Maior inunda a gente com uma tristeza sem razão aparente. Às vezes olhamos uma coisa que antes era dona de nossa atenção sempre e a vontade é deixar pra lá. Sabemos mais ou menos o que sentimos – algo entre uma melancolia, uma mofineza e uma languidez –, mas não conseguimos identificar de onde vem essa coisa estranha. Quase certeza de que você também que me lê já se sentiu assim nesses tempos recentes.

Nas minhas hipóteses, essa angústia sem remetente direcionada à posta-restante de nossa alma é um subproduto da pandemia. Estamos muito cansados do peso de nossa cabeça, desses dois anos passados, presentes, vividos entre o sonho de existir plenamente – ou de sua ilusão, pelo menos – como era antes do vírus, e o som dessa interminável chuva de lutos e reacomodações que hoje se impõem. Estamos muito cansados. Fatigados a ponto de não poder falar palavra sobre essas coisas sem jeito que trazemos no peito e que, não, definitivamente não achamos tão bom.

Daí vem uma procrastinação como a dizer para não nos preocuparmos com os compromissos nesse mundo agora marcado pela incerteza. O que esperar ao dobrar a próxima esquina? Esbarrar com uma guerra estúpida? Ter de lidar com um presidente imbecil e asqueroso? Ficar no prego de gasolina a quase oito reais o litro? Perder um amigo querido para o suicídio? Quando bate essa desalegria, a reação do eu parece que é rasgar no grito as amarras e se jogar, gritando Esparta!, no hedonismo, nos prazeres, grandes e pequenos, permitidos ou proibidos. É ir para o carnaval purgar a prisão involuntária imposta pelo Corona. É tacar um foda-se no autocuidado, levados por uma pulsão de morte que blefa com a Magra da foice, pagando para ver. Vem, safada! Põe pra cima! É deixar a pulsão dos desejos do Id assumir a porra das rédeas, mandando o superego às favas. Vai controlar a puta que te pariu, bedel dos infernos! É botar o bloco na rua, seja lá o que isso metaforize na sua vida sem carnaval, suspenso em sua folia por essa merda toda que esse vírus trouxe.

O desejo recalcado passa a ser visto com bons olhos. Por que não desejar? Por que não esticar a corda se eu nem sei se haverá corda ao acordar no dia seguinte? À gente só resta ousar quando a única alternativa sobre o gelo fino é a velocidade.

Fato é queremos uma balada nova, falando de brotos, de coisas assim. Falando de money, de banho de lua, de ti e de mim. Ficamos tão mais sentimentais. Tão à flor da pele que o beijo da Marieta Severo com o Reginaldo Farias na novela nos faz chorar. Tão à flor da pele que nosso desejo se confunde com a vontade de não ser, que a nossa pele traz o fogo do juízo final. Nesses dias de desalegria, singramos um rio desconhecido num barco sem porto, sem rumo, sem vela. Cavalgamos um cavalo sem sela; bicho solto, cães sem dono, crianças e bandidos viramos. Vamos de extremo a extremo: às vezes nos preservamos, por outra suicidamos.

Não engula o choro da pandemia. Sim, essa agonia, esses gatilhos invisíveis fazendo sintoma, é tudo causa do choro da pandemia. Choro pelos que perdemos e cujas ausências nos dilaceram as lembranças quando os recordamos. Porque “recordar” vem de re-cardio, passar de novo pelo coração. Aí dói demais. Arde qual álcool em ferida exposta. Como psicólogo, sou obrigado a dizer para você buscar um equilíbrio restaurador e isso passa por se permitir o inédito para dar conta desse lamaçal em que nos metemos. Sem culpas. Habeas corpus. Habeas anima. Está pesado demais para ficarmos catando culpas. Vaze pelos seus poros.

No fundo, penso que todos nós estamos precisando mesmo é daquela sessão de cinema das cinco, para beijar a menina ou o menino, o que faça seu gosto, e levar a saudade na camisa toda suja de batom ou de outras substâncias que do desejo decorrem.

Indo para o supermercado, ouvindo Belchior de manhã cedo no rádio do carro, chorei feito um condenado. Condenado à incompletude, à finitude, ao descontrole sobre o mundo. A moça do caixa, eu acho, nem notou que chorei muito. Se notou, ela foi discreta. Só perguntou se a tristeza era no crédito ou no débito, se meu sentimento torto era por aproximação ou penetrativo.

Ouçam Belchior bem alto aí. E na semana que começa, leitor e leitora queridos, sujem a camisa de batom, if you know what I mean.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s